terça-feira, 15 de abril de 2008

Tão perto e tão longe.

Entrei aqui e deparei-me com a minha página.
A música começou a tocar, e fiquei a escutá-la, olhando o infinito e apenas a assimilar a letra.
Recordações mágicas atravessaram o meu espírito e sorri, com cada uma mais presente que a outra. Depois, tive o medo comigo, aquele que agora me atravessa a caminho de algo que parece um martírio, um fim longínquo de que sempre que parece acabado, volta, sem cessar.
Vivi a música, palavra por palavra, e soube que a sentia.
Há sempre um bocadinho bom dentro de nós, sempre uma identificação de um momento, um sorriso e uma lágrima.
Porque se choramos, rimos. Se rimos, se rimos, somos felizes. Se os fazemos em conjunto, nada de melhor há.
Porque tão perto e tão longe te tenho aqui, com vontade de mim, com amor de ti.
Mesmo sem chorar, rio sem fim. Afinal, cada sorriso solta uma gota feliz, que sei estar presente.
O que existe num conjunto, partilhado e diferente, é único. E tão perto e tão longe somos apenas nós, uma alma especial.

1 comentário:

A Flôr disse...

Amor, um pensamento de Theodor Fontane (que não faço ideia quem seja, mas que disse algo mto interessante!):

HÁ QUE RECOLHER SEMPRE AS PEQUENAS ALEGRIAS ATÉ QUE CHEGUE A GRANDE FELICIDADE.
SE NÃO CHEGAR, O QUE É PROVÁVEL, AO MENOS TEREMOS DESFRUTADO AS MUITAS FELICIDADES MENORES."

E tu, Cá, sabes desfrutar dessas felicidades que em cada dia Deus te concede...

Amo-Tu linda sobrinha

Flor :)