quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Tudo do nada.

Quis lembrar-me de ti, pensar o que serias, se o fosses. Nem sei se te encontraria por aí, quanto mais se virias ter comigo. Tento por tudo arrancar esta crosta, não gosto de a ver aqui. Pego nele e sei que posso falar contigo, tentar, no mínimo.
Tudo é tão efémero quanto o momento, tudo marca e faz mudar conforme o segundo. As escolhas feitas nem sempre são assumidas, nem sempre se notam fazer. Escolhi algo para isto? Deixei-me ficar apenas por aqui, mas algo faz com que me ache por caminhos perto dos teus, na tua tentativa sem sucesso.

Não se sabe dizer se bem ou mal, se é ou não, apenas que se for algo não passará de um todo, conduzido ao longo do leito do rio, chegando ao que nos pode dizer. Se o fosse, será que poderia tê-lo sido?
Não faças perguntas. Não digas nada. Olha, bem no fundo do que contigo fala. Será que é mesmo isso? Ou é apenas o nada? Um sonho? Olha!... Não desistas! Consegues ver?... É mesmo aquilo o que vês?... É?

1 comentário:

A Flôr disse...

Será que é mesmo isso?

Será que estás apaixonada?

Humm... quem será?

Lol lol lol

Fica com o meu carinho :))

Flor